quarta-feira, 4 de abril de 2012

Dione juno juno (Cramer, 1779), foto por: R. Penalva

Dione j. juno, R. Penalva, Encontro das Águas, Lauro de Freitas, BA.
Clique na foto para vê-la ampliada!

O autor, a espécie e a foto

Em foto de Ruy Penalva (60 anos, médico/empresário), feita em 15-VIII-2004, temos aqui nossa vigésima terceira participação do público! Trata-se de uma boa foto de Dione juno juno (Cramer, 1779), lepidóptero da família Nymphalidae, subfamília Heliconiinae, tirada através de uma Canon EOS10D (com 6.3m.pixels), no Condomínio Encontro das Águas, em Lauro de Freitas, BA. Para a foto, tirada aproximadamente às 11h30min da manhã em dia ensolarado, o autor usou uma lente Canon EF 75-300 I. A imagem foi capturada com luz natural, abertura de diafragma f/5.6 e velocidade de 1/180.

Biologia

Foto tirada no entorno da residência do autor mostra a borboleta se alimentando em uma flor silvestre. Ela traz a borboleta em repouso em uma pequena zona de sombra. D. j. juno (Cramer, 1779), espécie comum e que gosta de voar em locais ensolarados (heliófilos) podendo ser vista nas bordas entre cidades e as áreas de matas (semiurbana) como também nas florestas secundárias. Esta é mais uma espécie é muito observada nas áreas onde o homem alterou a mata. Aí tem população uma população maior.  A espécie possui um voo lento. Pode ser confundida quando vista pela sua face ventral com Agraulis vanillae maculosa (Stichel, [1908]) e quando vista pela face dorsal com Dryas iulia alcionea (Cramer, 1779). Difere principalmente: da primeira, por apresentar nas asas anteriores uma banda marrom, na altura da borda da célula discal, que cruza até quase a margem externa da asa. Da segunda, por ter nas asas posteriores, a banda marrom da margem externa da asa, mais larga e, por vezes, sem os pontos laranja.

As lagartas têm um corpo coberto de processos espinhosos. A cor é predominantemente negra com pequenas máculas laranja, distribuídas principalmente sobre o dorso e ainda com pequeníssimos pontos brancos esparsos sobre o corpo. Seus hábitos são diurnos e gregários. Alimenta-se basicamente de plantas da família Passifloraceae, sendo pragas de muitas espécies (Brown, 1992). Logo, pode também ser considerada uma das pragas do maracujá cultivado, Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Deg. Recentemente tem sido combatida, em áreas cultivadas, através de controle biológico com a utilização de bactérias, como por exemplo, Bacilus thuringiensis (fonte: < http://agrolink.com.br/ >).
A. Soares

4 comentários:

  1. Interessante que essa Nymphalidae é uma Dione, que era uma Ninfa, mulheres da água, perigosas, devoradoras, ninfetas, ondinas. Mas somente poucas borboletas tem um ciclo aquático, a maioria completa seu ciclo fora da água, no casulo. Juno é a mulher de Jupiter, Zeus, na mitologia grega é Hera.

    ResponderExcluir
  2. Sim caro Ruy. Eu lhe enviei um e-mail onde estico um pouco mais o papo, pois, gosto muito de mitologia grega.
    Aqui seguindo com os lepidópteros, comento que nos Sphingidae que estudo, temos muitas espécies com nomes oriundos da mitologia grega, ou vezes também da romana que é uma adaptação da primeira.
    A cada vez que vejo escritos tais nomes, o corre o mesmo que ocorreu com você, só que em menor escala, sou remetido a associações entre o bicho e os personagens. É interessante como os autores davam prioridade a batismo das espécies com esta nomenclatura sacada da mitologia grega. Valeu pela mensagem e lembrança interessante, Ruy, abraços.

    ResponderExcluir
  3. Não só na zoologia, como na astronomia, veja Jupiter (Zeus) cercado de suas mulheres (luas) Europa, Io, Calisto, e homens (Ganimedes)

    ResponderExcluir